IDEAGRI - Decisão Certa! Lucro Certo!

Administrar bem, lucrar sempre. Controle: a quarta função da administração

02 de Outubro de 2012
por: Leonora Duarte, Equipe IDEAGRI

Através da quarta e última função da Administração, o Controle, o administrador assegura que a organização e seus planos estejam na trilha certa. O controle é algo universal: todas as atividades humanas – quaisquer que sejam – sempre fazem uso do controle, consciente ou inconscientemente. Ele consiste basicamente em um processo que guia a atividade exercida para um fim previamente determinado. Sua essência reside em verificar se a atividade controlada está ou não alcançando os resultados desejados.

 


Clique AQUI para acessar a lista com todas as publicações da Série 'ADMINISTRAR BEM, LUCRAR SEMPRE'


O controle é algo universal: todas as atividades humanas – quaisquer que sejam – sempre fazem uso do controle, consciente ou inconscientemente. Ele consiste basicamente em um processo que guia a atividade exercida para um fim previamente determinado. Sua essência reside em verificar se a atividade controlada está ou não alcançando os resultados desejados.

Conceito de Controle

O controle é o processo pelo qual são fornecidas as informações e retroação para manter as funções dentro de suas respectivas trilhas. É a atividade integrada monitorada que aumenta a probabilidade de que os resultados planejados sejam atingidos da melhor maneira.

O controle é a função administrativa que monitora e avalia as atividades e resultados alcançados para assegurar que o planejamento, organização e direção sejam bem-sucedidos. Ele está presente, em maior ou menor grau, em quase todas as formas de ação organizacional. Os administradores passam boa parte de seu tempo observando, revendo e avaliando o desempenho de pessoas, de unidades organizacionais, de máquinas e equipamentos, de produtos e serviços em todos os três níveis organizacionais: estratégico, tático e operacional.

O Processo de Controle

O Controle consiste basicamente de um processo que guia a atividade exercida para um fim previamente determinado, sendo composto por quatro etapas ou fases, sendo que cada uma delas influencia e é influenciada pelas demais. 

Imagem

Fig. 1: As 4 etapas do processo de controle. Fonte: CHIAVENATO, 2004.

Veja os detalhes das etapas deste processo:

1. ESTABELECIMENTO DE OBJETIVOS OU PADRÕES

O primeiro passo do processo de controle é estabelecer previamente os objetivos ou padrões que se deseja alcançar ou manter. 

Vale destacar os conceitos:

Objetivos (pontos de referência para o desempenho ou os resultados de uma organização)
Padrões (referem-se ao nível de atividade estabelecido para servir como um modelo para a avaliação do desempenho organizacional, podendo ser utilizado para avaliar e controlar os diferentes recursos da organização, tais como a quantidade, qualidade, tempo e custo)

2. AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

O propósito da avaliação do desempenho é verificar se os resultados estão sendo conseguidos e quais as correções necessárias a serem feitas. A mensuração pode ser tanto um motivador como um ameaça às pessoas.

O sistema de medição do desempenho deve atuar mais como um reforço do bom desempenho e não simplesmente como uma tentativa de correção do mau desempenho.

3. COMPARAÇÃO DO DESEMPENHO COM O PADRÃO

A comparação pode levar em conta duas situações:
Resultados (quando a comparação entre o padrão e a variável é feita quando terminada a operação – é o controle sobre os fins)
Desempenho (quando a comparação entre o padrão e a variável é feita paralelamente à operação, ou seja, quando a comparação acompanha e monitora a execução da operação – é o controle sobre os meios)

Toda atividade ocasiona algum tipo de variação. Assim, torna-se importante determinar os limites dentro dos quais essa variação pode ser aceita como normal. O controle procura separar o que é normal e o que é excepcional, para que a correção se concentre nas exceções. A comparação do desempenho ou resultado em relação ao objetivo ou padrão deve funcionar como um sensor que localiza 3 possibilidades:
Conformidade ou Aceitação (o resultado ou desempenho está plenamente de acordo com o padrão e, portanto, aceito)
Região de Aceitação (o resultado ou desempenho apresenta um leve desvio quanto ao padrão, mas dentro da tolerância permitida e, portanto, aceito, embora a conformidade não seja total)
Rejeição ou Não Aceitação (o resultado ou desempenho apresenta desvio, afastamento ou discrepância para mais ou para menos em relação ao padrão, além da tolerância permitida e, portanto, rejeitado e sujeito à ação corretiva)

A comparação dos resultados ou do desempenho com os resultados ou desempenho planejado é geralmente feita através de meios de apresentação, como gráficos, relatórios, índices, porcentagens, medidas e estatísticas, etc. Veja, na figura, um exemplo gráfico desta comparação.

Imagem

Fig. 2: As possibilidades de comparação com o padrão. Fonte: CHIAVENATO, 2004.

4. AÇÃO CORRETIVA

A ação corretiva é a ação administrativa que visa manter o desempenho dentro do nível dos padrões estabelecidos. Ela tem como objetivo fazer com que cada ação seja feita exatamente de acordo com o preestabelecido.

Esta ação é tomada a partir dos dados quantitativos gerados nas 3 fases anteriores do processo de controle. As decisões quanto às correções necessárias representam a conclusão do processo de controle. De forma resumida, após o levantamento, os passos são:

Determinar as variações que ocorrem, isto é, quais os resultados que estão muito acima ou muito abaixo dos padrões esperados.
• Comunicar a informação às pessoas que produzem os resultados.
• Utilizar a informação para reforçar o bom desempenho e corrigir o desempenho precário.

Se os resultados excedem as expectativas, é altamente desejável comunicar o sucesso às pessoas e motivá-las a mantê-lo. Se os resultados não alcançam as expectativas, deve-se verificar o motivo, focalizando o problema em si e não atribuir culpa às pessoas.

Imagem

Fig. 3: O ciclo de Controle. Fonte: CHIAVENATO, 2004.

Características do Controle

O Administrador deve compreender que um sistema eficaz de controle precisa reunir os seguintes aspectos:

Orientação estratégica para resultados (o controle deve apoiar planos estratégicos e focalizar as atividades essenciais que fazem a real diferença para a organização)
Compreensão (o controle deve apoiar o processo de tomada de decisões apresentando dado em termos compreensíveis)
Orientação rápida para as exceções (o controle deve indicar os desvios rapidamente, através de uma visão panorâmica sobre onde as variações estão ocorrendo e o que deve ser feito para corrigi-las adequadamente)
Flexibilidade (o controle deve proporcionar um julgamento individual e que possa ser modificado para adaptar-se a novas circunstâncias e situações)
Autocontrole (o controle deve proporcionar confiabilidade, boa comunicação e participação entre as pessoas envolvidas)
Natureza positiva (o controle deve enfatizar o desenvolvimento, mudança e melhoria, devendo alavancar a iniciativa das pessoas e minimizando o papel da penalidade e das punições)
Clareza e objetividade (o controle deve ser imparcial e acurado para todos, devendo ser respeitado como um propósito fundamental que é a melhoria do desempenho)

Tipos de Controle

Cada organização requer um sistema básico de controles para aplicar seus recursos financeiros, desenvolver pessoas, analisar o desempenho financeiro e avaliar a produtividade operacional. O desafio é saber como utilizar tais controles e aprimorá-los para, com isso, melhorar gradativa e incessantemente o desempenho de toda a organização.

CONTROLES ESTRATÉGICOS

Constituem o sistema de decisão de cúpula que controla o desempenho e os resultados da organização como um todo, tendo por base as informações externas. Exemplos: balanço patrimonial, relatórios financeiros, controle dos lucros e perdas, análise do retorno do investimento.

CONTROLES TÁTICOS

Feitos no nível intermediário, referem-se a cada uma das unidades organizacionais – sejam departamentos, divisões ou equipes. Geralmente estão orientados para o médio prazo, isto é, para o exercício anual. Exemplo: controle orçamentário (processo de monitoramento e controle de despesas programadas das várias unidades organizacionais no decorrer de um exercício anual, apontando possíveis desvios e indicando medidas corretivas), contabilidade custos (informações sobe a distribuição e análise de custos, classificados em custos fixos e custos variáveis), ponto de equilíbrio (ponto em que os custos e as vendas se equilibram).

CONTROLES OPERACIONAIS

São projetados ao curto prazo (controle de estoque e de qualidade, por exemplo), sendo que boa parte das ações corretivas de controle no nível operacional é realizada sobre as pessoas ou seu desempenho. A ação disciplinar é a ação corretiva realizada sobre o comportamento de pessoas para orientar e/ou corrigir desvios ou discrepâncias, devendo ter as seguintes características:
Deve ser esperada (a ação disciplinar deve ser prevista em regras e procedimentos e previamente estabelecida, não devendo ser improvisada, mas planejada)
Deve ser impessoal (não deve simplesmente buscar punir uma determinada pessoa ou grupos, mas apenas corrigir a situação)
Deve ser imediata (deve ser aplicada tão logo seja detectado o desvio, para que o infrator associe claramente a sua aplicação com o desvio que provocou)
Deve ser consistente (as regras e os regulamentos devem ser feitos para todas as pessoas, sem exceções, devendo ser justos e equitativos, sem favoritismo ou tendenciosidade)
Deve ser limitada ao propósito (depois de aplicar a ação disciplinar, o administrador deve ser reassumir sua atitude normal em relação ao funcionário faltoso)
Deve ser informativa (deve proporcionar orientação sobre o que se deve fazer o que não se pode fazer)

Análise

O controle é a quarta função administrativa que consiste em medir e corrigir o desempenho para assegurar que os objetivos organizacionais e os planos estabelecidos para alcançá-los sejam realizados. Assim como o planejamento, organização e direção, o controle é uma função que se distribuiu entre todos os níveis organizacionais: existe o controle estratégico, o tático e o operacional. O controle funciona como um processo cíclico e repetitivo, composto de quatro etapas:
• A primeira é o estabelecimento de padrões ou objetivos que funcionam como nível de realização que se pretende tomar como marco ou referência. Os padrões podem ser de quantidade, qualidade, tempo e custo.
• A segunda é a avaliação do desempenho para verificar se os resultados estão sendo conseguidos e quais as correções necessárias a serem feitas.
• A terceira é a comparação do desempenho ou do resultado com o padrão. Aqui existem três categorias de controle: o pré-controle, o controle simultâneo e o controle por retroação. A comparação procura detectar três possibilidades: conformidade com o padrão e aceitação, região de aceitação que permite certa tolerância de desvio em relação ao padrão e rejeição e não aceitação quando o resultado ou desempenho se afasta em relação ao padrão estabelecido.
• A quarta etapa é a ação corretiva no sentido de manter as operações dentro dos padrões a fim de que os objetivos sejam alcançados.

O controle visa alcançar duas finalidades: corrigir as falhas ou erros existentes e prevenir a ocorrência de novas falhas ou erros no futuro. Para eficiente e eficaz, o controle precisa possuir as seguintes características,: orientação estratégica para resultados, compreensão, orientação para as exceções, flexibilidade, autocontrole, natureza positiva e incentivadora e clareza e objetividade.

Conceitos-chave

- AÇÃO CORRETIVA: É a quarta etapa do processo de controle que visa manter o desempenho dentro dos padrões estabelecidos.

- AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO: É a segunda etapa do processo de controle que visa medir o desempenho ou resultado de alguma atividade.

- CONFORMIDADE: (ou Aceitação) Significa que o desempenho ou resultado está de acordo com o padrão e, portanto, aceito.

- CONTROLE: É a função administrativa que consiste em medir e corrigir o desempenho para assegurar que os objetivos organizacionais e os planos estabelecido para alcançá-los sejam realizados.

- CONTROLE ESTRATÉGICO: É genérico e sintético, direcionado a longo prazo e macroorientado, isto é, aborda a organização como um todo.

- CONTROLE OPERACIONAL: É detalhado e analíticos, direcionado a curto prazo e microorientado, isto é, aborda cada operação em separado.

- CONTROLE TÁTICO: É menos genérico e menos detalhado, direcionado a médio prazo e aborda cada unidade organizacional separadamente.

- DESEMPENHO: É a maneira pela qual uma determinada atividade é executada.

- ESTABELECIMENTO DE OBJETIVOS: (ou Padrões) É a primeira etapa do processo de controle que visa formular os objetivos ou padrões de referência que servirão de base para as comparações.

- PADRÃO: Significa um nível de realização ou desempenho que se pretende tomar como marco ou referência.

- PROCESSO DE CONTROLE: É constituído de quatro etapas: estabelecimento de objetivos ou padrões, avaliação do desempenho, comparação do desempenho com os padrões e ação corretiva para corrigir desvios ou erros.

- REGIÃO DE ACEITAÇÃO: É a zona de normalidade ou de tolerância ao redor do padrão, na qual o desempenho ou os resultados são aceitos.

- REJEIÇÃO: Significa que o resultado ou desempenho apresenta desvio em relação ao padrão, além da tolerância permitida, devendo ser rejeitado e sofrer ação corretiva.


Referência

Chiavenato, I. (2004). Administração nos novos tempos. Rio de Janeiro: Elsevier.


Rua Santa Fé, nº 100, conj 203, Sion - CEP: 30320-130 - Belo Horizonte/MG

Geral: (31) 3344-3213 - Comercial: (31) 99272-8302 VIVO - (31) 97128-2169 TIM

Suporte: (31) 3221-0709 - (31) 99952-6594 VIVO - (31) 99509-3854 TIM - (31) 99278-2275 TIM

Skype: ideagri - email: ideagri@ideagri.com.br