Administrar bem, lucrar sempre. Direção: a terceira função da administração (Parte 4)

O conhecimento da motivação humana é indispensável para que o administrador possa realmente contar com a colaboração irrestrita das pessoas. Um dos maiores desafios do administrador é motivar as pessoas. Torná-las decididas, confiantes e comprometidas intimamente a alcançar os objetivos propostos. Isto é, energizá-las e estimulá-las o suficiente para que sejam bem-sucedidas através do seu trabalho na organização.


Clique AQUI para acessar a lista com todas as publicações da Série 'ADMINISTRAR BEM, LUCRAR SEMPRE'


Para ser efetivo nesta função de estimular sua equipe a atingir os objetivos organizacionais e individuais, o administrador deve possuir o conhecimento sobre as teorias motivacionais de forma a criar condições de aplicá-las na vida organizacional através de modelos práticos de gestão motivacional.

Conceito de Motivação

A motivação funciona como o resultado da interação entre o indivíduo e a situação que o envolve. As pessoas diferem quanto ao seu impulso motivacional básico, e a mesma pessoa pode ter diferentes níveis de motivação que variam ao longo do tempo, ou seja, ela pode estar mais motivada em um momento e menos motivada em outra ocasião. A conclusão é o que o nível de motivação varia entre as pessoas e dentro de uma mesma pessoa através do tempo. Além das diferenças individuais, existem as variações no mesmo indivíduo em função do momento e da situação.

A motivação é o desejo de exercer altos níveis de esforço em direção a determinados objetivos organizacionais, condicionados pela capacidade de satisfazer algumas necessidades individuais. A motivação está relacionada com 3 aspectos:

• Objetivo(direção do comportamento)
• Esforço(força e intensidade de comportamento)
• Necessidade(duração e persistência do comportamento)

O esforço bem direcionado e consistente com o objetivo organizacional a alcançar é o tipo de esforço que se deseja. Finalmente, a motivação é um contínuo processo de satisfação de necessidades individuais.

A necessidade é um estado interno que, quando não satisfeita, cria tensão e estimula algum impulso dentro do indivíduo para reduzi-la ou atenuá-la. Por isso, é imprescindível que os requisitos das necessidades individuais da pessoa sejam compatíveis e consistentes com os objetivos organizacionais.

Neste contexto em que o impulso gera um comportamento de busca e pesquisa para localizar objetivos que, se atingidos, saciarão a necessidade e reduzirão a tensão, é possível avaliar o conceito de Ciclo Motivacional que é uma sequência de eventos que vão desde a carência de uma necessidade até a sua satisfação e retorno ao estado anterior de equilíbrio. O conhecimento sobre este ciclo motivacional é uma poderosa ferramenta para o administrador em sua tarefa de motivar sua equipe.

Imagem

Fig. 1: O ciclo motivacional. Fonte: CHIAVENATO, 2004.

Principais Teorias da Motivação

As teorias da motivação podem ser classificadas em duas abordagens diferentes. De um lado, as teorias de conteúdo que se relacionam principalmente com aquilo que está dentro de um indivíduo ou do ambiente que envolve um indivíduo e que energiza ou sustenta seu comportamento. De outro lado, estão as teorias de processo, que oferecem uma alternativa mais dinâmica, pois proporcionam uma compreensão dos processos cognitivos ou de pensamento das pessoas, e que influenciam o seu comportamento.

TEORIA DA HIERARQUIA DAS NECESSIDADES

Também denominada de Teoria de Maslow (responsável por sua proposição) determina que, em cada pessoa, existe uma hierarquia de 5 necessidades humanas, de modo que, quando uma necessidade é relativamente satisfeita, a próxima necessidade mais elevada torna-se dominante no comportamento da pessoa.
• Necessidades Fisiológicas(necessidades básicas de sobrevivência biológica)
• Necessidades de Segurança (buscam assegurar a estabilidade das pessoas)
• Necessidades Sociais(envolvem a necessidade de amor, de pertencer e de relacionamento humano)
• Necessidades de Estima(fatores internos de estima, como auto-respeito, autonomia, sendo de competência, status, prestigio, atenção, etc)
• Necessidades de Auto-realização(crescimento pessoal e o alcance da plena potencialidade da pessoa)

O primeiro passo para se motivar uma pessoa é conhecer qual é o nível da hierarquia que ela está focalizando para poder satisfazer aquela necessidade ou carência específica. A Teoria de Maslow teve ampla aceitação entre os administradores devido à sua lógica intuitiva e facilidade de compreensão. Todavia, vale destacar que, enquanto esta teoria salienta que a pessoa focaliza uma única necessidade de cada vez, outros pensadores afirmam que mais de uma necessidade pode ser ativada ao mesmo tempo.

Imagem

Fig. 2: A pirâmide de necessidades de Maslow e suas implicações. Fonte: CHIAVENATO, 2004.

TEORIA DOS 2 FATORES

Proposta por Herzberg, esta teoria trata da motivação para o trabalho ao considerar 2 tipos de fatores que estão relacionados com o comportamento no trabalho e podem ser facilmente utilizados pelo administrador. Muitos a consideram como uma teoria dos determinantes da satisfação e insatisfação no emprego e não propriamente uma teoria da motivação.

• Fatores Higiênicos ou Insatisfacientes(Estão associados com o contexto do trabalho, ou seja, com aqueles aspectos relacionados com o ambiente do trabalho. São fatores de entorno, relacionados com as fontes de insatisfação no trabalho.)
• Fatores Motivacionais ou Satisfacientes (Estão relacionados com o conteúdo do trabalho e suas fontes de satisfação.)

Imagem

Fig. 3: Os fatores higiênicos e os fatores motivacionais. Fonte: CHIAVENATO, 2004.

TEORIA DO ESTABELECIMENTO DE OBJETIVOS

A intenção de trabalhar em direção a algum objetivo constitui uma grande fonte de motivação. Os objetivos influenciam o comportamento das pessoas.

Imagem

Fig. 4: Como fazer a ‘formulação de objetivos’ trabalhar para você. Fonte: CHIAVENATO, 2004.

TEORIA DA EQUIDADE

Avalia as contribuições (o que a pessoa dá) em relação às recompensas (o que a pessoa recebe) do seu trabalho à organização. A essência desta teoria é a comparação feita pelas pessoas entre seus esforços e recompensas e os esforços e recompensas das outras pessoas que trabalham em situação semelhante. Fornece um modelo simples que ajuda a explicar e predizer atitudes das pessoas com relação às recompensas oferecidas pela organização.

Imagem

Fig. 5: Passos para administrar o processo de equidade. Fonte: CHIAVENATO, 2004.

Aplicações práticas das Teorias de Motivação

Existem 3 aspectos básicos que o administrador precisa utilizar para obter desempenho excelente das pessoas:

1. O conhecimento da motivação humana.
2. A capacitação das pessoas (através de treinamento, orientação, liderança, habilidades e conhecimentos).
3. Oferta de oportunidades e desafios para que elas possam realmente aplicar suas habilidades e conhecimentos no trabalho.

Em relação às teorias expostas neste texto, podemos destacar as seguintes aplicações práticas na realidade organizacional:
• Recompensas monetárias (O dinheiro motiva o desempenho na medida em que ocorram duas condições: a crença da pessoa de que o dinheiro satisfará as suas necessidades; e a crença da pessoa de que a obtenção do dinheiro exige algum desempenho ou esforço da sua parte.)
• Enriquecimento de tarefas (Para se fazer com que uma tarefa tenha sempre efeito motivador, torna-se necessário ajustá-la continuamente ao progresso do funcionário.)
• Modificação do horário e comportamento no trabalho (A flexibilização do horário de trabalho é uma maneira de melhorar o desempenho e a satisfação dos empregados. Quando há viabilidade para a organização, trata-se de uma programação de trabalho que permita ao funcionário alguma escolha em seu padrão de horas diárias.)

Análise

Para exercer uma boa motivação, o administrador deve saber incentivar os seguintes aspectos:
• Participação ativa das pessoas nos processos decisórios.
• Atribuição de maiores responsabilidades e desafios.
• Rotação de cargos e estágios em diferentes atividades para aumentar a multifuncionalidade.
• Ampliação do trabalho para aumentar as competências individuais.
• Nomeações em público para aumentar a visibilidade das pessoas.
• Reconhecimento público do bom desempenho e do alcance de resultados.
• Conhecimento do conjunto e visão sistêmica e holística.
• Estímulo institucional da organização.
• Solenização e honrarias por trabalhos realizados.
• Estímulo à auto-realização pessoal.
• Incentivo aos supervisores para que ouçam as pessoas.
• Atitude positiva dentro da organização.
• Remuneração variável.

Conceitos-chave

- CICLO MOTIVACIONAL: É uma sequência de eventos que vão desde o surgimento de uma necessidade até a sua satisfação e retorno ao estado anterior de equilíbrio.

- EQUIDADE: Ocorre quando a equação de recompensas/contribuições de uma pessoa é igual à equação das outras pessoas tomadas como referência.

- FATORES HIGIÊNICOS: Estão associados com o contexto do trabalho, isto é, com o ambiente de trabalho. Também denominados de fatores insatisfacientes.

- FATORES MOTIVACIONAIS: Estão relacionados com o conteúdo do trabalho, isto é, com as fontes de satisfação no trabalho. Também denominados de fatores satisfacientes.

- NECESSIDADE: É algum estado interno de carência que faz certos resultados parecem atrativos à pessoa.


Referência

Chiavenato, I. (2004). Administração nos novos tempos. Rio de Janeiro: Elsevier.