Como funciona a base de touros ou reprodutores?
Importante - a criação da base de touros foi feita com o intuito de apoiar os usuários. Não há a garantia ou o compromisso de que todos os touros existam na base. No caso de touros não existentes, os mesmos poderão ser cadastrados, bem como seus pedigrees e isso não compromete, de maneira alguma, a utilização do sistema.

 

Se você não encontrar o touro na base, faça o cadastro normalmente e preencha a genealogia – Confira a dica sobre como fazer isso, clicando aqui: Veja o esquema para o preenchimento da genealogia e inclusão de animais externos

 

Os dados dos touros que compõem a biblioteca de reprodutores têm duas origens muitos distintas. Entender claramente isso é fundamental para fazer o melhor uso da ferramenta.

 

 

 

ORIGEM 1

Os dados dos reprodutores das raças de leite europeias, como Holandês, Jersey e Pardo Suíço, por exemplo, são oriundos de um arquivo único, mundial, que contempla, inclusive, informações de genealogia e provas atualizadas do touro. O arquivo tem atualizações periódicas, com novos touros e provas, que são atualizados, também, no IDEAGRI.

Por isso, para touros destas raças, os cadastros contemplam, em muitas situações, pai, avô, bisavó, etc. (linhagem paterna) e as informações, como um todo, são bastante padronizadas.

ORIGEM 2

Já para as demais raças, como Girolando, Nelore, Angus, etc., infelizmente não dispomos de uma base única. Assim, o processo é feito manualmente. Sendo assim, para touros do segundo grupo, as informações exibidas devem ser consideradas apenas como uma referência e os dados devem ser conferidos pelo usuário. O intuito foi agilizar o trabalho, mas a conferência ou validação pelo usuário é muito importante. Se o usuário usar um touro deste grupo da base, quando os dados vierem carregados no cadastro de sêmen, havendo algum item a ser editado, como o registro, por exemplo, basta fazer isso e gravar os cadastros.