Crédito aduba o campo

Recursos para o crédito rural aumentam 556% no país em 11 anos e chegam a R$ 191 bilhões. A elevação da aplicação do crédito na produção tem relação direta com a melhoria e o aumento de volume colhido. Para os produtores rurais, isso significa expansão nos negócios e melhoria da qualidade de vida.

Dinheiro multiplica produção

Entre junho de 2002 e o mesmo mês deste ano, a expansão do crédito rural no Brasil saiu de R$ 29,1 bilhões para R$ 191 bilhões, um salto de 556%, indicam dados do Banco Central. A expansão da oferta de empréstimos voltados para o setor se refletiu diretamente no campo, elevando a produção e a produtividade das propriedades rurais para os agricultores que tiveram acesso ao crédito. Em Minas, a oferta de financiamentos para o setor registrou expansão de 890%, de acordo com os últimos dados da Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa). Enquanto isso, somente a produção de grãos avançou de 7,7 milhões de toneladas para 12 milhões de toneladas (56%), sem contar a produção agropecuária.

Alta nas transações

Segundo o coordenador estadual de crédito da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural de Minas Gerais (Emater-MG), João Augusto Guarabira, “A cada ano que passa, o agricultor familiar e, mesmo o médio e o grande, têm buscado mais crédito rural e, por isso, o acesso ao financiamento tem crescido muito.”

Em setembro e novembro, segundo Guarabira, os financiamentos que mais estão saindo são para custeio, manutenção das culturas, investimentos pecuários, aquisição de máquinas/equipamentos e recuperação de pastagem. Além disso, de acordo com ele, a implantação de lavouras integradas com a pecuária e floresta têm aumentado.

“O crédito disponível vem crescendo de 15 a 25% ao ano nos últimos cinco anos. E a demanda está aumentando, por que o agronegócio está em expansão forte no país e os produtores começam a ter mais condição de produzir”. Afirma Guarabira.

ONDE ESTÁ O DINHEIRO?

CUSTEIO TRADICIONALFinanciamento de despesas normais de custeio da produção agrícola e pecuária. Com recursos controlados, a taxa é de 5% ao ano e o teto para financiamento é de R$ 1 milhão. Para algumas culturas, pode dobrar.
OUTRAS LINHAS DE CRÉDITOFuncafé, Retenção de Matrizes e Crias, Produção de Sementes e Mudas, Aquisição Antecipada de Insumos.
PROGRAMA DE CONSTRUÇÃO E AMPLIAÇÃO DE ARMAZÉNSLinha nova, com taxa de 3,5% ao ano. Financia até 100% do projeto e não há teto. O prazo é de 15 anos, com 3 anos de carência.
PROGRAMA NACIONAL DE APOIO AO MÉDIO PRODUTOR RURALDestinado a proprietários de terra, posseiros, arrendatários ou parceiros que tenham, no mínimo, 80% de sua renda anual originada na agricultura ou atividade extrativa vegetal, com renda anual de R$ 1,6 milhão. Juros de 4,5% ao ano, teto de R$ 600 mil.
PROGRAMA ABCDestinado à redução de gases de efeito estufa. Teto de financiamento de R$ 1 milhão por ano-safra. Para implantação de florestas comerciais, o valor sobe para R$ 3 milhões. Juros de 5% ao ano, financia ate 100% do projeto, prazos de 5 a 15 anos e carência de 2 a 6 anos


Mais uma opção: CAIXA AMPLIA ATUAÇÃO NO CRÉDITO RURAL

A Caixa Econômica Federal está ampliando suas operações de crédito rural. Para o ano-safra 2013/2014,o banco vai aplicar mais de R$ 3,7 bilhões em recursos destinados ao custeio agrícola e pecuário e a operações de investimentos em máquinas/equipamentos, aquisição de animais e projetos de infraestrutura rural. As linhas de crédito rural estão disponíveis em cerca de mil agências da CAIXA, distribuídas por todas as cidades com forte atuação no agronegócio.

Imagem

Para o Superintendente Regional da Caixa, Ronaldo Roggini, a atuação no crédito rural integra a estratégia do banco de desenvolver novos negócios e ampliar o portfólio de produtos e serviços.

Roggini destaca ainda que o objetivo é oferecer processos ágeis, com procedimentos mais simplificados para operações de menor valor, possibilitando a contratação do crédito em curto espaço de tempo. “Operações de Custeio de até R$ 300 mil, por exemplo, podem ser contratadas na agência por meio de orçamento simplificado”, explica.

Atendimento

Belo Horizonte – (31) 3217-2035 / (31) 8696-4999 (Saulo)

Contagem – (31) 3358-5150

Betim – (31) 3529-1400

Pedro Leopoldo – (31) 3663 - 4100

Itabirito – (31) 3562-3400

Congonhas – (31) 3731-1040

Lafaiete – (31) 3062-9000

A lista completa de agências que operam o crédito rural poderá ser consultada no site da CAIXA: www.caixa.gov.br.

Assessoria de Imprensa da CAIXA – Belo Horizonte

(31) 3217-2676

www.caixa.gov.br/imprensa | @imprensaCAIXA | imprensa.mg@caixa.gov.br

Imagem


O material foi compilado dos artigos publicados no Caderno Agropecuário do Jornal 'Estado de Minas', de 09 de setembro de 2013:

- Dinheiro multiplica produção - Zulmira Furbino

- Alta nas transações - Zulmira Furbino

- Lastro fraco para os adversários - Zulmira Furbino