Fazenda Samambaia - Modernidade e Gestão em Cafeicultura

A fazenda Samambaia está localizada no município de Santo Antônio do Amparo - MG, de propriedade do Sr. Henrique Cambraia. A fazenda utiliza o IDEAGRI e é cliente do ReHAgro.

O artigo sobre a Fazenda Samambaia é de autoria do ReHAgro e foi extraído do site www.rehagro.com.br


A fazenda Samambaia é assistida pela Equipe ReHAgro e utiliza o sistema de gestão IDEAGRI.

Confira o depoimento do proprietário da Fazenda, sobre a utilização do sistema de gestão IDEAGRI:

“Inovador, prático e necessário.”

Henrique Cambraia, Cafeicultor, Fazenda Samambaia

Santo Antônio do Amparo - MG


Samambaia

A fazenda Samambaia é uma propriedade que tem como principal atividade a cafeicultura. É assistida pelo ReHAgro desde 2005. Tem como objetivo aproveitar o clima excelente da região que se localiza , com áreas mecanizadas proporcionando um menor custo de produção de um café de qualidade com mão de obra qualificada e controle de dados transformados em informações para tomada de decisões da fazenda. Conheça um pouco mais sobre esse modelo de sucesso na matéria abaixo.

- Histórico:

A Fazenda Samambaia faz parte da história da família Cambraia em Santo Antônio do Amparo/MG – Sul de Minas. A propriedade vem passando de geração para geração desde 1896, quando a família se iniciou na atividade cafeeira.

Foto

Desde o final da década de 80, o médico José Nominato Santos Cambraia, passou a dedicar maior tempo à fazenda, o que aumentou o foco da propriedade em ferramentas de gestão. Em 1993, Henrique Dias Cambraia, um de seus 3 filhos, assumiu a administração da fazenda. A fazenda Samambaia está na 4ª geração e sempre produzindo cafés de alta qualidade.

Em 2000, Henrique Cambraia mudou-se para fora do país, surgindo então à necessidade de se planejar melhor as atividades da fazenda.

Com o retorno do empresário em 2002, o mercado de exportação dos cafés especiais diretamente a torradores passou a ser almejado. Isto foi fortemente impulsionado uma vez que a fazenda teve em 2000 e 2001 lotes de cafés vencedores em um concurso internacional e foram comprados por torradores da Noruega em 2000, e do Japão em 2001. Além disso, em 2004 a fazenda recebeu o Certificado da Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA) e em 2005 a fazenda recebeu a certificação de responsabilidade social UTZKAPEH.

Nesse momento, iniciou-se uma visão mais empresarial da atividade e a necessidade de maior profissionalização.

Em 2004, com a opção dos proprietários em expandir a área de plantação do café, buscou-se a assistência técnica do ReHAgro.

- A Fazenda:

A Fazenda Samambaia está localizada em Santo Antônio do Amparo/MG e tem como principal atividade a cafeicultura, inicialmente com uma área de 90 hectares. O perfil do solo é uma mescla de cerrado e cultura, típico da região. A altitude média é de 1000 metros com chuvas bem distribuídas entre os meses de setembro a março, com predominância de invernos secos. As temperaturas na época de verão ficam na média de 25 graus, caindo para 18 graus na estação seca.

A região possui condições (solo, clima e altitude) extremamente desejáveis e necessários para produção de café de qualidade com altas produtividades e sem irrigação , com áreas de boa topografia para mecanização.

Foto

Visão do cafeeiro

Na Fazenda existem 7 variedades de café: Bourbon amarelo, Catuaí vermelho, Topázio, Acaiá, Mundo novo, Catucaí amarelo e Obatã.

- O Projeto

O projeto da Fazenda Samambaia é algo desafiador e inovador em fazendas de café. A idéia é criar um modelo de gestão com base em recursos humanos para cafeicultura.

O projeto visa uma grande área de produção com grande volume e alta lucratividade, mecanização da colheita, qualidade de mão de obra, gestão financeira e econômica, manejo sustentável do solo e alto padrão de qualidade do café produzido.

Foto

Mecanização da área

Os técnicos do ReHAgro envolvidos no projeto são: Como coordenador do projeto, Fábio Corrêa, engenheiro agrônomo e diretor do ReHAgro; Daniel Veiga, engenheiro agrônomo; Diego Palucci, médico veterinário atuando na área de custos de produção; e Marcelo Cabral, médico veterinário especialista em Recursos Humanos. A fazenda conta também com a consultoria de Gladyston de Carvalho, Engenheiro Agrônomo da EPAMIG e Josué Pereira de Figueiredo, engenheiro agrônomo do Ministério da Agricultura (antigo IBC).

- Assistência Técnica ReHAgro

A assistência técnica do ReHAgro se iniciou em julho de 2005, quando foi dado início ao projeto.

Em 2005 a fazenda possuía 85 hectares de cafés em produção, sendo que o projeto objetiva atingir até 2009, 500 hectares de café plantados com alto índice de mecanização.

A consultoria ReHAgro tem como pilares: implementação de uma metodologia eficiente de controle econômico/financeiro, capacitação contínua de recursos humanos, construção da fertilidade do solo e implementação da gestão por diretrizes e processos.

- Itens desenvolvidos no projeto

Visão de futuro – foi traçado o norte do projeto, detalhando cada etapa a ser cumprida anualmente;

Planejamento estratégico – processo pelo qual decidimos as ações que a empresa adotará no futuro, visando alcançar as metas pré-estipuladas;

Gestão por processos – visando determinar o fluxo de cada atividade, com definição clara de clientes e fornecedores internos e externos, e Principalmente, a detecção de gargalos, buscando a melhoria constante;

Confecção da agenda – buscando o aproveitamento máximo dos recursos disponíveis (insumos, mão de obra, máquinas e implementos);

Padronização das atividades – buscando preservar aquilo que deu certo e com aprimoramento constante (PDCA).

- Objetivo Final

Ter uma fazenda competitiva e padronizada, com ações programadas, cumprindo cada etapa do planejamento estratégico e operacional.

Dentro do planejamento econômico/financeiro a fazenda trabalha com um planejamento de safra até o ano de 2017, que envolve o conceito de custos por glebas. Com isso a fazenda pode fazer um planejamento estratégico de todas as suas atividades.

Além disso, a fazenda passou a ser acompanhada semanalmente pelo engenheiro agrônomo Daniel Veiga, que concentra a inteligência do processo produtivo, financeiro e econômico da empresa. Uma de suas atividades é a criação de uma agenda semanal definindo as atividades dos funcionários e máquinas. Essa agenda é dividida de acordo com o clima, pois as atividades a serem desenvolvidas estão diretamente dependentes da condição climática. Assim, de acordo com as condições climáticas do dia, definem-se com eficiência as atividades a serem executadas, de forma que não tenha mão de obra parada na fazenda.

Diego Palucci atua operacionalizando a coleta e processamento dos dados, transformando esses dados em informações. Confecciona relatórios objetivos, práticos e claros para os proprietários e gestor.

Na parte operacional houve a definição de cargos e salários com o auxílio do Marcelo Cabral e Daniel Veiga. É feito um treinamento mensal de recursos humanos, com criação de rotinas, programas de treinamento e motivação da equipe.

Atualmente a fazenda conta com 35 funcionários permanentes, chegando a quase 200 no período de safra. A fazenda acredita que na capacitação técnica e pessoal dos funcionários estará a sustentabilidade do projeto. A idéia desse treinamento é formar uma equipe fixa altamente técnica e comprometida, capaz de gerar lavouras bem cuidadas e em equilíbrio pleno.

Foto

Viveiro de café

Foto

Visão do cafeeiro com 1 ano e 1 mês

Na parte técnica, foi proposta a melhoria da fertilidade do solo para a plantação de café. Assim, foi feito o mapeamento da fertilidade do solo de todas as áreas a serem plantadas. Em seguida, foram feitas as correções na busca da construção da fertilidade do solo. As diferenças podem ser observadas no desenvolvimento das plantas e na sustentabilidade do solo entre as áreas com e sem correção de solo (ver foto abaixo). Nesta área a equipe ReHAgro conta com a supervisão do engenheiro agrônomo Silvino Moreira.

Foto

Diferença observada nas áreas com e sem correção de solo.

O “manejo do mato” foi uma das estratégias utilizadas tanto para o fornecimento de matéria orgânica, como também é uma forma de quebra-vento para o café novo, que é necessária devido à altitude elevada do local.

De acordo com Henrique Cambraia, as vantagens de se ter uma fazenda controlada são muitas. “Com os números nas mãos, fica muito mais fácil e claro tomar decisões, fazer previsões e comparações com resultados anteriores”, ressalta. “O cronograma de atividades permite a alocação dos funcionários baseado nos recursos disponíveis, o que é bastante benéfico”, completa ele.

Foto

Para maiores informações sobre a Fazenda Samambaia, entre em contato conosco pelo email rehagro@rehagro.com.br, pelo telefone (31) 3264-0312 ou pelo site www.cambraiacafes.com.br

Fonte: www.rehagro.com.br