Fazenda São João quer chegar a 18 milhões de litros de leite

Com projeto de expansão do plantel, a Fazenda São João, do Grupo True Type, planeja aumentar a produção anual, com o suporte do melhoramento genético. Eleita a quarta maior produtora de leite do país, a propriedade é cliente e parceira IDEAGRI e pratica a escala na operação para viabilizar o negócio. Saiba um pouco mais sobre a trajetória desse empreendimento de sucesso no agronegócio!

HISTÓRIA

Em Inhaúma, na região central do estado, a Fazenda São João – do grupo mineiro de agronegócio True Type, que reúne também as empresas Terral, Rehagro e Ideagri – registra uma produção anual de 12 milhões a 13 milhões de litros de leite por ano. Mas, com a estrutura que a fazenda possui, uma das fundadoras, Huguette Emilienne Françoise Collin de Noronha Guarani, diz que é possível chegar aos 18 milhões de litros de leite por ano, num prazo de cinco anos. “Vai depender da economia, da saúde para tocar o negócio e do clima. Estamos muito sujeitos às intempéries”, explica Huguette, que iniciou a atividade em 2000 com o marido, Flávio Guarani, falecido em 2011.

Da compra da fazenda, em 1996, até o início da operação, foram R$ 40 milhões investidos, retorno que só começou a acontecer a partir de 2008. Agora com 1.300 animais em produção, Huguette acrescentará ao plantel, em junho próximo, outros 600, já como parte do projeto de expansão. “Neste primeiro trimestre, nossa produção é de 30 mil a 31 mil litros de leite por dia”. A partir de junho, passa a ser de 35 mil litros de leite por dia.

PRODUÇÃO E GESTÃO RECONHECIDAS

Eleita pelo ranking anual do Portal Milk Point como a detentora da quarta maior produção de leite do país, Huguette diz que é preciso praticar a escala na operação leiteira para diluir os altos custos, senão o negócio não se viabiliza. “É por isso que muitos saem da atividade”, explica. Segundo ela, de 80% a 85% dos custos do negócio impactam na produção de cada litro de leite na fazenda.

Os dados da fazenda são gerenciados no Sistema de Gestão IDEAGRI.

Saiba mais sobre a solução!

GENOMA

Com o uso da inseminação artificial e da fertilização in vitro no rebanho, Huguette investe numa nova fronteira do melhoramento genético com o genoma – código genético com as informações hereditárias e características de um ser, codificadas no DNA. “O projeto genoma é outro trabalho que temos. Nossas vacas estão disparando no ranking de pontuação no genoma. Estamos tendo um sucesso enorme com os animais que trouxemos dos Estados Unidos, com índices que têm superado os dos americanos. Isso é o mais moderno do trabalho da True Type”, informa Huguette, que já importou em torno de 350 embriões da Bomaz, nos EUA.

Fonte: O Tempo Economia