Importância econômica da mastite subclínica e avaliação do escore linear, por Lívia Mirelle

O artigo técnico aborda a utilização do escore linear como ferramenta para acompanhamento da qualidade de leite. Além de facilitar a interpretação dos resultados, o escore linear possibilita a identificação mais objetiva das perdas ocasionadas pela mastite.

Por Lívia Mirelle, graduanda em medicina veterinária, estagiária - Equipe IDEAGRI.


INTRODUÇÃO

Na atividade leiteira, um importante fator econômico é a produção de leite de acordo com os parâmetros específicos de qualidade. Diversas alterações podem interferir na produtividade, no processamento, no rendimento dos seus derivados e no tempo de vida de prateleira; ocasionando, assim, grandes prejuízos para a indústria de laticínios e para o produtor rural.

No Brasil, as características produtivas mais enfatizadas pelos serviços de controle leiteiro são a produção e o teor de gordura do leite, considerando os sistemas de pagamento do leite com base no volume e no conteúdo de gordura. Sendo assim, para produzir leite de qualidade, é necessário, além de outros fatores, que os animais sejam saudáveis e que a ocorrência de novos casos de mastite, em especial a mastite subclínica, seja monitorada constantemente.

MASTITE

A mastite é a doença infecciosa mais comum em vacas leiteiras e a que mais causa prejuízos, incluindo: a redução na produção, a interferência na qualidade do leite, o aumento dos custos com tratamentos e, até mesmo, o descarte precoce das vacas com mastite crônica.

A mastite tem duas formas de apresentação. Na forma clínica, o diagnóstico é fácil em função da existência de sinais clínicos característicos de inflamação, como: aumento de temperatura no teto afetado, dor, glândula endurecida com presença de edema; sendo que os primeiros jatos de leite apresentam-se com grumos, pus e sangue, tornando o leite com aspecto aquoso e alterando sua coloração. Na forma subclínica, o diagnóstico é difícil pela ausência de sinais clínicos visíveis, sendo esta a forma responsável por aproximadamente 70% das perdas econômicas decorrentes da mastite.

Para o diagnóstico da mastite subclínica, é indicada a contagem de células somáticas (CCS) no leite. Contudo, a CCS pode variar segundo diversos fatores, tais como: a idade do animal, o estádio de lactação, o estresse, a época do ano, a nutrição. Porém, o fator mais preocupante é a presença de mastite no rebanho. A CCS é caracterizada pela presença de células de descamação da glândula mamária. Este é um processo fisiológico de renovação do epitélio pelas células de defesas (leucócitos), que quando presentes, estão agindo em resposta a uma agressão sofrida pela glândula mamária.

Em estudos realizados observou-se que a CCS pouco se altera na ausência de infecção da glândula mamária, sendo que o principal fator que influencia a CCS é o grau de infecção da mesma. Em vacas sadias, são encontradas baixas quantidades de células somáticas, geralmente menos de 50.000 por mililitro (cel/mL). Entretanto, diversos autores consideram que a CCS de até 250.000 cel/mL não afeta a produção e a qualidade do leite produzida” Valores que ultrapassem o limite estabelecido de CCS no leite são considerados mastite subclínica.

A inflamação da glândula mamária, ocasionada pela mastite, causa alteração do sabor do leite, deixando-o salgado devido às substâncias do sangue (dentre elas, íons de cloro e sódio) que vão para o leite, juntamente com os leucócitos. Podem, também, ocorrer alterações na composição das proteínas e gorduras devido à ação de enzimas. Outra questão, é que as células secretoras acabam perdendo eficiência e produzindo menos. Estes fatores ocasionam redução na produção e perda de qualidade do leite.

É de fundamental importância para o sucesso da produção a avaliação da ocorrência de casos de mastite no rebanho, a fim de auxiliar na adoção de melhores procedimentos e de medidas terapêuticas e profiláticas visando à diminuição das perdas econômicas.

AVALIAÇÃO DE MASTITE PELO ESCORE LINEAR

O escore linear é adotado como padrão pelo Programa Nacional Cooperativo de Melhoramento Genético do Gado Leiteiro (DHI) dos Estados Unidos desde 1982.

O escore é obtido por cálculo matemático, no qual os valores de CCS são transformados em 10 categorias de 0 a 9.

Como pode ser observado na tabela abaixo, o uso do escore linear facilita a interpretação dos resultados, uma vez que a cada aumento de 1 (um) escore linear a CCS é dobrada.

Adicionalmente, a utilização do escore linear possibilita a identificação mais objetiva das perdas ocasionadas pela mastite, uma vez que há uma correlação negativa entre o escore linear e as perdas de produção de leite, a partir do escore 3.

Embora não haja valor absolutamente definitivo de escore linear para constatar se uma vaca esta infectada ou não, utiliza-se como referência o valor de escore linear maior que 4 para indicar animais com mastite. Esse valor não é um critério aleatório, mas sim, baseado em análise estatística, objetivando minimizar a ocorrência de resultados falsos positivos e falsos negativos.

A CCS é transformada em escore linear pela fórmula (EL = [Log2 (CCS/100.000)] + 3).

Tabela: Relação entre escore linear do rebanho, ponto médio e variação da contagem de células somáticas.

Tabela 1

Fonte: BRITO, et al. 2005


Em estudos realizados com análise de 1.361 amostras de leite para: CCS, concentração de lactose e sólidos totais, observou-se que as concentrações de lactose apresentaram correlação negativa com o escore linear, sendo que o aumento do escore linear ocasionou uma queda significativa na concentração de lactose do leite. Ao se comparar leite de vacas com mastite e leite de vacas saudáveis, observou-se menor concentração de lactose no leite contaminado. Esta redução deve-se à infecção da glândula mamária, ocasionando destruição de tecido secretor e, consequentemente, redução da síntese de lactose. Contudo, as concentrações de sólidos totais não apresentaram correlação significativa com o escore linear. Não existindo evidências estatísticas de que o valor esperado de sólidos totais esteja relacionado com o escore linear. As alterações no nível e na composição de gordura do leite ocasionadas pela mastite são pequenas e somente irão ocorrer, na maioria dos casos, quando a infecção da glândula mamária for severa.

Considerando o exposto acima, fica claro que a realização de controles eficientes dos casos de mastite e o armazenamento adequado dessas informações, possibilitam a análise precisa dos dados e facilitam a tomada de decisões. Um bom software de gerenciamento é uma ferramenta extremamente útil neste processo: permitindo a obtenção de índices (escore linear, por exemplo) e de avaliações comparativas que são indispensáveis para aumentar a produtividade e reduzir as perdas. Veja um exemplo para análise de ocorrência de mastite subclínica e avaliação de escore linear.

Figura 1: Avaliação da prevalência, incidência dinâmica e cronicidade de mastite subclínica em relação ao número de animais avaliados.

Figura 1

Fonte: IDEAGRI


Figura 2: Avaliação do escore linear no mês atual em relação ao mês anterior

Figura 2

Fonte: IDEAGRI

Observe que nos eixos X e Y do gráfico estão localizados os escores lineares, sendo que o eixo X é referente ao mês anterior e o eixo Y ao mês atual.

  • Quadrante A: os animais estavam no mês anterior com escore linear alto e no mês atual com escore linear baixo, ou seja, nesta avaliação os animais são considerados curados.
  • Quadrante B: os animais estavam no mês anterior com escore linear alto e no mês atual o escore linear continua alto, ou seja, nesta avaliação os animais são considerados crônicos.
  • Quadrante C: no mês anterior os animais estavam com escore linear baixo e no mês atual o escore continua baixo, ou seja, os animais são considerados sadios.
  • Quadrante D: no mês anterior os animais estavam com escore linear baixo e no mês atual com escore linear alto, ou seja, são consideradas novas infecções.


CONCLUSÃO

Conforme exposto, fica claro que a mastite ocasiona perdas econômicas consideráveis na produção de leite, sendo que a mastite subclínica é a mais preocupante, podendo passar desapercebida, caso o produtor não tenha um sistema eficaz de controle e acompanhamento do rebanho.

O escore linear é o método mais recomendado para avaliação da ocorrência de mastite subclínica no rebanho, não sendo fortemente influenciado por pequenos grupos de animais e, sim, considerando a média real do rebanho.

Porém, o escore linear, avaliado isoladamente, não proporciona ao produtor informações claras a respeito da evolução dos casos. Faz-se necessária, portanto, a avaliação comparativa entre o mês anterior e o mês atual, para que sejam visualizados os novos casos de mastite subclínica, casos crônicos, animais curados e/ou sadios.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BRITO, M. A.; BRITO, J. R.; ARCURI, E.; LANGE, G.; SILVA, M.; SOUZA, G. Agência de informação Embrapa-Agronegócio do leite: Células somáticas. Ministério da agricultura, pecuária e abastecimento. Disponível em: http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/Agencia8/AG01/arvore/AG01_179_21720039246.html. Acessado em 20 de maio de 2010.

BRITO, M. A. V. P.; BRITO, J. R. F. Qualidade do leite. Disponível em: http://www.fernandomadalena.com/site_arquivos/903.pdf. Acessado em: 19 de maio de 2010.

DABDOUTB, S.A.M.; SHOOK, G.E. Phenotypic relations among milk yeld, somatic cell count, and clinical mastitis. Journal of Dairy Science, v.67, p.163-4, 1984.

HARMON, R. J. Physiology of mastitis and factors affecting somatic cell counts. J. Dairy Sci., v.77, p.2103-2112, 1994.

MAGALHÃES, H. R.; FARO, L. E.; CARDOSO, V. L.; PAZ, C. C. P.; CASSOLI, L. D.; MACHADO, P. F. Influência de fatores de ambiente sobre a contagem de células somáticas e sua relação com perdas na produção de leite de vacas da raça Holandesa. R. Bras. Zootec., v.35, n.2, p.415-421, 2006.

PAULA, M. C.; RIBAS, N. P.; MONARDES, H. G.; ARCE, J. E.; ANDRADE, U. V. C. Contagem de células somáticas em amostra de leite. R. Bras. Zootec., v.33, n.5, p.1303-1308, 2004.

PEREIRA, A. F.; SILVA, L. F. P.; MOLON, L. K.; MACHADO, P. F.; BARANCELLI, G. Efeito do nível de células somáticas sobre os constituintes do leite I-gordura e proteína. Braz. J. Vet. Res. Anim. Sci. v.36, n.3, São Paulo, 1999.

SANTOS, H. C. S.; PINTO, M. L. M. P.; LIRA, J. T.; VILAÇA, L. F.; SILVA, E. R.; SANTORO, K. R.; SANTOS, G. R. A. Modelagem do resultado do teste CMT através do modelo linear generalizado com distribuição multinominal. Disponível em: http://www.eventosufrpe.com.br/jepex2009/cd/resumos/R0797-3.pdf. Acessado em: 19 de maio de 10.

SANTOS, M. V.; FONSECA, L. F. L. Monitoramento da qualidade do leite. Disponível em: http://www.unitins.br/ates/arquivos/Pecuária/Bovinocultura/Bovinocultura%20de%20Leite/Qualidade%20do%20Leite%20-%20Curso/Qualidade%20do%20Leite%20-%205.pdf. Acessado em: 25 de maio de 2010.
SILVA, L. F. P.; PEREIRA, A. R.; MACHADO, P. F.; SARRIÉS, G. A. Efeito do nível de células somáticas sobre os constituintes do leite II-lactose e sólidos totais. Braz. J. Vet. Res. Anim. Sci. v.37, n.4, São Paulo, 2000.

TEXEIRA, N. M.; FREITAS, A. F.; BARRA, R. B. Influência de fatores de meio ambiente na variação mensal da composição e contagem de células somáticas do leite em rebanhos no Estado de Minas Gerais. Arq. Bras. Med. Vet. zootec. v.55, n.4, Belo Horizonte, 2003.


Lívia Por Lívia Mirelle, graduanda em medicina veterinária, estagiária - Equipe IDEAGRI.