Projetos inovadores, em qualquer área de tecnologia, receberão R$120.000,00 da FINEP em 2009
Prime 120

O que é o PRIME?

O PRIME, criado pela Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP), tem como objetivo principal apoiar o desenvolvimento de empresas nascentes inovadoras, criando condições financeiras favoráveis para que elas possam enfrentar com sucesso os principais desafios de seus estágios iniciais de crescimento. A FINEP pretende assim, atacar dois dos maiores problemas que afligem empresas inovadoras:

• Necessidade de sobrevivência do empreendedor que o leva a buscar alternativas mais seguras de remuneração.
• Carências gerenciais e mercadológicas das empresas nascentes inovadoras decorrentes da origem dos empreendedores (perfil técnico).

Perguntas frequentes


1 - Quais são as Operadoras Descentralizadas e qual a sua função?


2 - Quais empresas podem participar?

3 - Que tipo de projetos serão apoiados?

4 - Como saber se minha empresa se enquadra como inovadora?

5 - Qual é o montante dos recursos financeiros destinados aos projetos acompanhados pela INSOFT-BH?

6 - Quais são os itens do KIT PRIME?

7 - Existe alguma limitação para o uso dos recursos?

8 - Será possível a contratação de estagiários ou bolsistas?

9 - Que tipo de consultoria de gestão poderá ser contratada?

10 - Quais são as despesas não apoiáveis?

11 - É preciso dar contrapartida?

12 - O que a FINEP aceita como contrapartida financeira?

13 - O que a FINEP aceita como contrapartida não-financeira?

14 - Como e quando será a liberação dos recursos?

15 - Qual será o prazo de execução do projeto?

16 - É possível a candidatura para mais de uma Operadora?

17 - Empresas com sede fora de Minas Gerais podem submeter-se ao PRIME por meio da INSOFT-BH?

18 - Quais são as etapas do processo de seleção?

19 - Qual o cronograma previsto?


1 - Quais são as Operadoras Descentralizadas e qual a sua função?


Em virtude da complexidade, abrangência e dos custos inerentes à infra-estrutura necessária para operar um programa nacional que beneficiará um significativo número de empresas, tornou-se necessária a cooperação institucional entre a FINEP e parceiros locais que deverão atuar como seus agentes operacionais descentralizados. As Operadoras Descentralizadas são:

• FUMSOFT/INSOFT (MG)
• FINATEL/INATEL (MG)
• BIOMINAS (MG)
• FIPASE (SP)
• CIETEC (SP)
• FVE/UNIVAP (SP)
• FUNCAMP/INCAMP (SP)
• COPPETEC/COPPE (RJ)
• PUC-RIO/Instituto Gênesis (RJ)
• BIO-RIO (RJ)
• PUC-RS/RAIAR (RS)
• FAURGS/CEI (RS)
• CERTI/CELTA (SC)
• INSTITUTO GENE (SC)
• CIDE (AM)
• PAQTC (PB)
• CISE (SE)
• CESAR (PE)

2 - Quais empresas podem participar?

São elegíveis para obtenção de subvenção econômica:

• Empresas com até 2 anos de constituição (data de abertura presente no cartão do CNPJ) até o lançamento do edital (previsto para 23/12/08), devidamente registradas na Junta Comercial.

• Empresas constituídas durante o prazo de recebimento das propostas simplificadas (janeiro a março/2009), devidamente registradas na Junta Comercial.

3 - Que tipo de projetos serão apoiados?


Projetos que apresentem estratégias, produtos ou serviços de conteúdo inovador e que possuam um plano de negócios que indique um evidente potencial de crescimento.

4 - Como saber se minha empresa se enquadra como inovadora?

A decisão sobre o envio ou não da proposta é de responsabilidade do proponente e a equipe da Operadora Descentralizada não pode ter influência nessa questão. Projetos não enquadrados serão desclassificados pela banca de avaliação pela não aderência ao tema e os proponentes serão notificados posteriormente.

A banca será orientada para utilizar o conceito de inovação presente na Lei de Inovação e no Manual de Oslo.

5 - Qual é o montante dos recursos financeiros destinados aos projetos acompanhados pela INSOFT-BH?

A INSOFT-BH (Operadora Descentralizada) acompanhará 120 (cento e vinte) empresas, que receberão R$ 120.000,00 (cento e vinte e mil reais) cada, perfazendo um total de R$ 14.400.000,00 (quatorze milhões e quatrocentos mil reais).

6 - Quais são os itens do KIT PRIME?

• Pagamento de até 2 (dois) empreendedores (pró-labore dos sócios) para a realização de atividades de natureza tecnológica. Na impossibilidade de os sócios-empreendedores realizarem atividades de natureza técnica, o apoio poderá ser dado a especialista(s) de perfil técnico.

• Pagamento de salário e encargos de um “controller”/gestor de negócios, a ser contratado, com carga horária de no mínimo 20 (vinte) horas semanais. (Caso a empresa já possua um sócio com perfil e experiência na atividade de controladoria, admitir-se-á a alternativa de contratação de serviços de consultoria especializada. O sócio com perfil de “controller” não poderá ser remunerado).

• Pagamento de serviço de consultoria especializada na área de mercado (estudos de mercado, plano de marketing, introdução do produto no mercado, etc).

• Pagamento de serviço de consultoria (até dois contratos) em áreas de gestão, em temas considerados relevantes pela empresa.

7 - Existe alguma limitação para o uso dos recursos?



O total dos recursos deverá atingir a soma de R$ 120.000,00 (cento e vinte mil reais).

8 - Será possível a contratação de estagiários ou bolsistas?

Não será permitida a contratação de estagiários para a execução de funções de especialista técnico e de controladoria.

9 - Que tipo de consultoria de gestão poderá ser contratada?

• Formulação Estratégica
• Consultoria Jurídica
• Consultoria e Auditoria em sistemas de gestão
• Recursos Humanos
• Planejamento, prospecção e avaliação tecnológica
• Propriedade Intelectual
• Finanças (complementar à atuação do “controller”)
• Gestão da produção
• Gestão da inovação
• Ambiental
• Logística
• Consultoria em assuntos regulatórios

Não serão apoiados serviços de natureza tecnológica.

10 - Quais são as despesas não apoiáveis?

• Serviços de terceiros - Pessoa Física
• Diárias e Passagens
• Material de Consumo
• Despesas de Capital (obras, equipamentos, instrumentos e etc.)

11 - É preciso dar contrapartida?

Sim, o empresário deverá investir na empresa R$ 6 mil (5% dos R$ 120 mil) como contrapartida do dinheiro aportado pelo governo. Essa contrapartida, que é definida por lei para todo recurso de subvenção econômica, poderá ser financeira ou econômica.

12 - O que a FINEP aceita como contrapartida financeira?

Itens diretamente relacionados com a execução de atividades de pesquisa e desenvolvimento tecnológico, desde que claramente descritos e mensurados no projeto. Como exemplo, podemos citar: reagentes, matéria-prima e itens de consumo para a realização das etapas de P&D; consultores técnicos especializados que participem das atividades de pesquisa; equipe própria de pesquisadores e técnicos de P&D da empresa, sendo necessário identificar o número de horas dedicadas ao projeto. Por força legal, os equipamentos de laboratório, plantas-piloto e obras civis para P&D são os únicos itens que devem ser alocados exclusivamente na contrapartida da empresa. Não serão aceitos como contrapartida itens como aluguel de imóveis, luz, água, telefone e demais recursos de infra-estrutura; impostos, taxas administrativas para a execução do projeto e despesas para registro do contrato; pessoal de apoio administrativo, segurança, limpeza e que exerçam outras atividades de apoio; matéria-prima em quantidade que demonstre capacidade produtiva em escala industrial (capital de giro); equipamentos, obras civis e outras despesas de capital com finalidade de produção em escala industrial e equipamentos, obras civis e outros itens de capital previamente existentes.

13 - O que a FINEP aceita como contrapartida não-financeira?

São consideradas contrapartida não-financeira as despesas correntes de operação da empresa, tais como homem/hora, máquinas/hora, energia elétrica, aluguel de galpão e alocação de laboratórios próprios, entre outros.

14 - Como e quando será a liberação dos recursos?

A liberação dos recursos se dará em duas parcelas de igual valor, sendo a primeira logo após a contratação e a segunda 6 (seis) meses após a primeira, mediante prévia visita técnica que assegure o bom andamento do projeto.

15 - Qual será o prazo de execução do projeto?

O projeto deverá ser executado em 12 (doze) meses.

16 - É possível a candidatura para mais de uma Operadora?

Não. O proponente só pode se candidatar em uma das Operadoras.

17 - Empresas com sede fora de Minas Gerais podem submeter-se ao PRIME por meio da INSOFT-BH?

Sim. Somos um agente descentralizado da FINEP. Qualquer empresa elegível pode se candidatar em qualquer um dos 18 agentes da FINEP espalhados pelo Brasil. Sugerimos que seja escolhido o parceiro mais próximo do empreendedor, de modo que os custos com eventos informativos e as capacitações presenciais não inviabilizem a sua participação no programa.

18 - Quais são as etapas do processo de seleção?

• Fase Simplificada: preenchimento do Formulário Eletrônico a ser disponibilizado na página www.prime120.com.br com a caracterização da empresa e seu caráter inovador, descrevendo resumidamente o negócio, produtos, tecnologia e o mercado. Além disso, deverá ser apresentado o orçamento preliminar conforme o KIT PRIME. Análise da documentação exigida no conteúdo do edital.

• Fase de Treinamento: programa de capacitação que ajudará o empreendedor a desenvolver sua visão e aperfeiçoar seu plano de negócios.

• Fase Detalhada: as empresas selecionadas na Fase Simplificada e que tiverem participado do Treinamento obrigatório deverão apresentar uma proposta detalhada, preenchendo o Formulário de Apresentação de Proposta – FAP apropriado, a ser disponibilizado na página www.prime120.com.br na internet. Análise da documentação exigida no conteúdo do edital.

19 - Qual o cronograma previsto?

• Divulgação do edital: a ser definida
• Início das inscrições: a ser definido
• Fechamento das inscrições: 20 de março/09
• Seleção: abril - julho/09
• Contratação: agosto - outubro/09
• Repasse da primeira parcela: outubro/09
• Repasse da segunda parcela: abril/10
• Encerramento do Programa: outubro/10
• Prestação de Contas: novembro/10

Informações adicionais e orientações:

(31) 3281.1148 / 3287.1729
contato@prime120.com.br

Prime 120