Saiba como emitir o Relatório 'Coleta de dados de mamite clínica'

A mastite, ou mamite, é uma doença que acomete os bovinos e afeta relevantemente a produção de leite. Os animais afetados reduzem a produtividade do sistema ao gerar a necessidade de reposição. Além disso, há gastos com prevenção, tratamento e controle, bem como a necessidade de mais tempo para o manejo. Com o intuito de facilitar a coleta de dados de mastite clínica e garantir maior confiabilidade dos dados a serem lançados no sistema, elaboramos uma dica completa para a emissão do Relatório 'Coleta de dados de mamite clínica'. Confira o passo-a-passo detalhado.

 

O Ideagri permite gerar relatórios para o controle da mastite. O objetivo desta dica é facilitar a coleta de dados de mastite clínica pelo ordenhador e garantir maior confiabilidade de dados de lançamento.

 

Veja o passo-a-passo de como emitir o relatório “Coleta de dados de mamite clínica”. Este relatório deve ser impresso e deixado sob a responsabilidade do ordenhador. Antes de se realizar as ordenhas, ele deve fazer o teste da caneca de fundo preto (ou outro método adotado na fazenda) e anotar os resultados no relatório.


1º) Abra o Ideagri Desktop e, em seguida, acesse o menu ‘Relatório’:

 

menu-relatorio.jpg

2º) O sistema exibirá a tela ‘Gerador de relatórios’. Utilize o campo palavra-chave para filtrar o relatório ‘Coleta de dados de mamite clínica'. Acione ‘Filtrar.’


Selecione o relatório na listagem e, em seguida, clique em ‘Visualizar’. Veja o exemplo a seguir:

 

 Imagem

 

3º) Será exibida a tela ‘Coleta de dados de mastite’.

 

Selecione as seguintes opções:

• Número de ordenhas: neste campo, selecione o número de ordenhas realizadas na fazenda. A anotação de controle de mastite deve ser feita a cada ordenha.
• Quinzena: neste campo, selecione a quinzena na qual será realizada a coleta de dados de mastite. O relatório final irá exibir o controle quinzenal, portanto ao se escolher 1ª ou 2ª quinzena, definimos se o relatório apresentará os resultados com as datas 01 a 15 (1ª. Quinzena) ou 16 a 30 (2ª. Quinzena).
• Quantidade de animais: neste campo, digite o número de animais disponíveis para a coleta individual de dados. Esta informação será responsável pelo número de linhas do relatório.

 

 Imagem

• Após o preenchimento dos campos selecione ‘Confirmar’. O relatório será exibido de acordo com os critérios selecionados.

 

4º) O relatório será emitido conforme ilustrado a seguir:

 

Imagem
Interpretação do relatório:

 

Imagem

 

Imagem

Para o lançamento de dados siga o exemplo abaixo:

Imagem

Imagem

 

Caso queira especificar o grau da mastite, pode-se substituir o ‘X’ pelo grau da mastite, como no exemplo abaixo.

Imagem

Clique nos links abaixo e confira os esclarecimentos de como inserir os dados de Mastite no sistema:

 

 

 


A mastite, ou mamite, é uma doença que acomete os bovinos e afeta relevantemente a produção. É uma enfermidade da glândula mamária que se caracteriza por um processo inflamatório, causando alterações físico-químicas do leite. Pode acometer um ou mais tetos das fêmeas, independentemente do período em que elas se encontram (secas, em lactação, novilhas, etc).

 

A mastite interfere diretamente na função do órgão, diminuindo a produção de leite e afetando a qualidade. Diminui os teores de açúcares (lactose), proteínas (caseína), minerais (cálcio, potássio) e gorduras, gerando ainda um aumento de imunoglobulinas, cloretos e lípases, impossibilitado o consumo do leite e sua utilização para fabricação de derivados.

 

Existem duas classificações para a mastite: Clínica e Subclínica. Quando o processo é mais intenso e as alterações são visíveis, denominamos ‘mastite clínica’. Neste quadro, o úbere pode ficar edemaciado, dolorido e quente, e o leite pode apresentar grumos, pus e sangue. Em um processo mais suave, denominamos ‘mastite subclínica’. As alterações não são visíveis e somente as detectamos por testes de campo e análises laboratoriais, principalmente através do exame de contagem de células somáticas (CCS) do leite.

 

A mastite reduz a produtividade do sistema ao gerar a necessidade de reposição de animais, gastos com prevenção, tratamento, controle e maior tempo gasto com o manejo dos animais.