Tecnologia da Informação: TI. Por que precisamos dela? Por Adriana Duarte
Confira este interessante ponto de vista sobre a velocidade, necessidade e importância das tecnologias de informação, com foco no agronegócio.
Lembro-me do tempo (não tem tanto tempo assim...) em que utilizávamos máquinas de datilografia pesadas e duras para redigir um texto. Aquilo era praticamente um sacrifício se comparado ao nosso “querido” editor de texto do computador...

Hoje, muito além de digitar o texto, podemos alterar seu estilo; o tipo e a cor de letra; o tamanho da fonte; a orientação do papel; solicitar correção ortográfica automática e mais um monte de coisas inimagináveis há bem pouco tempo atrás. E o melhor: podemos fazer quantas mudanças quisermos, salvar o original e até utilizá-lo onde e quando for preciso. Podemos até carregá-lo no bolso: é só salvar em um pen-drive! Achou pouco? Tem mais: podemos enviar o arquivo pela internet para qualquer lugar do mundo. E quem receber pode também salvar, utilizar ou enviar de novo o mesmo arquivo. E por aí vai...

É a informação navegando pelo mundo! Rápida e constantemente. E cabe a nós acompanhar tudo na mesma velocidade! Sem utilizarmos as tais tecnologias da informação (TI’s), corremos o risco de ficar para trás. Então, precisamos nos adaptar, quebrar paradigmas e fazer bom proveito daquilo que é oferecido.

Mas o que são as tais TI’s? De forma bem simplista, podem ser os equipamentos (hardware); os programas, sistemas operacionais e sistemas de gestão (software); os sistemas de comunicação (telefone, internet, celular); enfim, são os recursos que nós utilizamos para tratar a informação, considerando aqui o armazenamento, o tratamento e a transmissão da informação.

E por que temos tanta necessidade destas TI’s? Porque sem informação atualizada, perdemos competitividade e rentabilidade para o nosso negócio. Porque ficamos sem agilidade e sem dados consistentes para a execução dos processos decisórios internos. Porque, sem elas, perdemos tempo e ficamos ultrapassados no mercado. Enfim, porque elas se tornaram indispensáveis e não adianta mais “fingir que não é comigo”...

Bem, está claro que as tecnologias da informação já são parte de nossas rotinas. É bom lembrar, entretanto, que informação sem qualidade não vale nada! É preciso discernimento e inteligência para separar “o joio do trigo”. De nada adianta ter o melhor computador, o mais rápido acesso à internet, o mais novo sistema operacional, se não tivermos ferramentas que nos auxiliem no tratamento das informações inerentes ao nosso negócio.

Neste ponto, ressalto a importância de um bom sistema de gestão. Um sistema que seja capaz de transformar os dados e informações nele inseridos em insumos para a boa e veloz tomada de decisão. Um sistema que possa produzir “retratos” atualizados do negócio, permitindo um acompanhamento pontual dos cenários internos e um comparativo com os ambientes externos. Um sistema que permita o gerenciamento de custos, o controle de produção e o controle da qualidade.

É muito bom perceber que o setor do agronegócio já “entrou de cabeça” neste processo tecnológico irreversível! Os produtores, sejam eles grandes ou pequenos, já estão, em sua grande maioria, conectados a esta nova realidade. Sabem que precisam acompanhar as tendências e, melhor ainda, se antecipar às mesmas. Querem o melhor e sabem que as TI’s são essenciais na administração de suas propriedades.

Pensando bem, acho que valeu a pena usar a velha máquina de datilografia, pois, assim, fica muito mais fácil perceber o quanto nós evoluímos! É reconfortante saber quantas ferramentas tecnológicas estão disponíveis para nos auxiliar nos processos de gestão empresarial. Apesar da globalização e da maior competitividade, contamos com muitos instrumentos para a obtenção de sustentabilidade e rentabilidade. Façamos uso deles, então!

Por Adriana Duarte, Administradora de Empresas, gerente IDEAGRI.

Este artigo reflete as opiniões do autor(es), e não do IDEAGRI. O IDEAGRI não se responsabiliza e nem pode ser responsabilizado pelas informações acima ou por prejuízos de qualquer natureza em decorrência do uso dessas informações.