Condomínio Totó Porto - Rusticidade, Eficiência & Inovação

Há quem acredite que a vida é feita de acasos. Na Canto Porto, alguns acasos resultaram em mudança de rota e abertura de novos mercados. Em 1988, Antônio Carlos Canto Porto Filho, também conhecido como Totó, iniciou a produção de leite tipo A na Fazenda São Francisco, em Mogi Mirim, interior de São Paulo.

E assim foi por 12 anos, período em que as 400 vacas da raça Holandesa chegaram a produzir 12 mil litros de leite por dia. Os animais eram criados em sistema de confinamento (free stall e tie stall), conta Thiago Marcantonio, médico veterinário do Condomínio Canto Porto. Passado esse período, Totó decidiu encerrar a produção de leite e migrar para a produção de embriões. Dessa iniciativa surgiu uma das maiores empresas de fertilização do mundo, a In Vitro Brasil, inicialmente focada em embriões da raça Nelore.

O fator acaso mudaria novamente os rumos da propriedade após outros 12 anos, período em que as atividades estiveram voltadas à criação de Nelore e produção de embriões. Ao visitar uma fazenda referência na criação da raça Gir, o gerente da Canto Porto, Geraldo Marcantonio, acabou adquirindo quatro vacas que seriam descartadas.

A ideia era levar os animais para o sítio de um amigo, mas, por obra do destino, o caminhão estragou bem perto da Fazenda São Francisco, e os animais foram descarregados lá. Totó, que até então não sabia de nada, se deparou com as vacas em sua fazenda e, curioso, procurou saber a história delas até chegar ali. Resultado: ele ficou sócio do seu gerente na compra dos animais e assim começava o reinício da atividade leiteira na Fazenda São Francisco.

Visionário, Totó percebeu a oportunidade que tinha nas mãos e, assim como fez com o Nelore, estabeleceu parcerias com grandes criadores da raça Gir, conseguindo, através da FIV (fertilização in vitro), um rebanho de 80 anos de seleção. A rusticidade e a lucratividade do Girolando e do Gir o animaram a voltar a produzir leite na Fazenda São Francisco.

Com o crescimento do rebanho, foi necessário expandir o negócio. Em outubro de 2016, foi adquirida a Fazenda Santo Antônio, que fica a poucos quilômetros da Fazenda São Francisco.

SISTEMA DE PRODUÇÃO

O Condomínio Canto Porto tem por lema “rusticidade e eficiência”. E é exatamente essa a primeira impressão que se tem ao visitar uma das duas fazendas. A São Francisco tem 636 ha (hectares), com 18 ha de pasto e irrigação feita por aspersão em malha, 100 vacas em lactação e uma ordenha espinha de peixe. Já a Santo Antônio tem 420 ha, 6 pivôs centrais que servem para produção de culturas (milho, soja, aveia e pasto) e 328 vacas em lactação. Toda a produção de volumoso é feita nessa segunda fazenda, com auxílio técnico de uma empresa especializada. A silagem de milho é estocada em silos de trincheira, cobertos por uma lona especial, que permite maior conservação do produto. Além do pasto com pivô, a Fazenda Santo Antônio tem sistema de confinamento compost barn, para alojar os animais da maternidade e do pós-parto, e uma ordenha em carrossel.

As 438 vacas em lactação do Condomínio são divididas em três lotes (recém-paridas, alta e baixa produção). Elas são ordenhadas duas vezes ao dia, com uma produção total de 10 mil litros de leite por dia e média de 24 L/vaca.

NUTRIÇÃO

A dieta dos animais em lactação é basicamente pasto, um lanche e concentrado na ordenha para complementar a quantidade de nutrientes necessária para mantença e produção. As vacas são levadas para a pista de alimentação, com ventilação e aspersão, cerca de duas horas antes da ordenha, onde permanecem por 40 minutos. Em seguida, são levadas para a sala de espera da ordenha, onde continuam sendo resfriadas por mais uma hora.

BEZERRAS

As bezerras, assim que nascem, recebem 4 L de colostro de boa qualidade (acima de 50 mg de IgG/mL, analisado por refratômetro), é feita a cura de umbigo, e elas são levadas ao bezerreiro. De 24 a 48 horas após o nascimento, é feita a análise da transferência de imunidade passiva com o uso do refratômetro O sucesso na colostragem da fazenda é de 98%, ou seja, quase a totalidade dos animais colostrados tem proteína sérica acima de 5,5 mg/mL. Ficam em baias individuais suspensas durante 15 dias e recebem 6 L de leite de transição diariamente. O desaleitamento é feito a partir dos 60 dias.

NOVILHAS

Logo após a desmama, as novilhas são levadas para um sistema de confinamento e ficam lá até os 4-6 meses de vida, dependendo da época do ano. Depois disso, são criadas em sistema de pasto. A dieta é baseada em fubá e silagem de milho. As novilhas são liberadas para reprodução quando completam 16 meses e atingem 330 kg. Em todas elas é feita IATF (Inseminação Artificial em Tempo Fixo) e são implantados embriões das doadoras da propriedade. A idade ao primeiro parto é de 28 meses. O desempenho reprodutivo desses animais, no ano de 2017, está representado no gráfico abaixo.

REPRODUÇÃO E MELHORAMENTO

O condomínio utiliza exclusivamente a FIV como forma de aumentar o seu rebanho, e os índices apresentados pelo grupo são muito bons, como mostra a tabela a seguir. Os acasalamentos são direcionados e realizados por um técnico da empresa de biogenética que fornece o sêmen às propriedades a partir de uma tabela de pontuação que foi desenvolvida pelo veterinário do grupo. No formulário, são analisados os seguintes pontos: lactação, velocidade de ordenha, características morfológicas que indicam produtividade, força leiteira, pernas e pés e temperamento. Os dois técnicos avaliam e dão nota para cada animal.

QUALIDADE DO LEITE

O leite da Canto Porto recebe bonificação máxima por qualidade. Ele possui CCS (Contagem de Células Somáticas) de 330 mil células/mL, CBT (Contagem Bacteriana Total) de 6.000 UFC (Unidades Formadoras de Colônia)/mL, 3,86% de gordura e 3,34% de proteína. Além disso, o controle do tratamento de mastite e o uso racional de antibióticos é uma preocupação do grupo. Por isso, é feita a cultura on farm de toda vaca que apresenta sintomatologia de mastite e, antes de liberar os animais que estavam em tratamento, são feitos testes para avaliar a qualidade desse leite.

BEM ESTAR ANIMAL

“A preocupação com bem-estar animal é um dos nossos focos. Prezamos pelo conforto dos nossos animais e, com isso, obtemos o máximo de produção possível”, afirma Thiago Marcantonio. Desde pequenas, as bezerras são escovadas enquanto mamam, são manejadas sempre a pé e vistoriadas todos os dias após a desmama.

MEIO AMBIENTE

A Fazenda São Francisco abriga uma escolinha, onde os filhos dos funcionários aprendem como tratar melhor o meio ambiente. São realizados cursos profissionalizantes para os colaboradores. E essa preocupação vai adiante. É feito o plantio de árvores nativas nas propriedades do grupo e, futuramente, mudas serão distribuídas entre as propriedades vizinhas.

GESTÃO

Gerir uma empresa de grande porte na atividade leiteira não é uma tarefa fácil. As contas têm que ser feitas na ponta do lápis, pois o custo de produção por litro é próximo do valor pago pelo laticínio, que hoje é R$ 1,50. O IDEAGRI é o sistema adotado pela empresa para o controle de custos e de índices zootécnicos.

As projeções de crescimento para os negócios da família são bastante ousadas. Em até três anos, a expectativa é que o Condomínio Canto Porto esteja produzindo 45 mil litros de leite por dia, com um total de 1.800 vacas em lactação. Para atingir esses objetivos, o grupo conta com o apoio de dois filhos do proprietário, Antônio Carlos e João Carlos, que estão à frente da administração das fazendas. Com os sucessores, Totó já venceu um dos principais desafios da atividade, que é garantir a continuidade do negócio. 


Leia a reportagem na íntegra, na versão digital da revista, disponível para assinantes.

Fonte: Revista Leite Integral, fevereiro 2019.


A versão digital da revista pode ser acessada, pelos assinantes, no link a seguir: 

[ CLIQUE AQUI ]