Letti a2 é a primeira marca brasileira certificada para produção de leite com Vacas A2A2

A marca Letti a2, da Fazenda Agrindus, de Descalvado/SP, foi a primeira receber a certificação do Movimento #bebamaisleite para a produção de leite com Vacas A2A2. O selo foi concedido após aprovação em auditorias realizadas pela Genesis Group, empresa certificadora parceira do #bebamaisleite, ao final de cerca de seis meses de trabalho, com revisões e ajustes de processos na fazenda e no laticínio. A Ideagri é apoiadora oficial do #bebamaisleite e a Fazenda Santa Rita / Agrindus é usuária do sistema de gestão Ideagri. Confira também mais detalhes sobre os selos de qualidade para leite e derivados, lançados pelo #BEBAMAISLEITE.

Após a concessão do selo, foi feita a aprovação dos novos rótulos, que começaram a ser utilizados nesta sexta-feira, dia 5 de abril, pela marca. “Ter o selo #bebamaislete Vacas A2A2 em um rótulo, assegura que o leite foi obtido por processos que garantem a ausência de caseína A1 em sua composição, explica Helena Karsburg, médica veterinária responsável pelo laticínio da marca Letti a2.

O próximo passo é a comunicação sobre os benefícios do consumo de leite proveniente de Vacas A2A2. “É muito importante que os consumidores saibam que a única diferença entre o leite proveniente de Vacas A2A2 e o que estão acostumadas a consumir é a ausência de caseína A1. A caseína A1 libera, em seu processo digestivo, um componente conhecido como BCM-7, que pode causar desconforto gastrointestinal em indivíduos sensíveis. Em outras palavras, o leite proveniente de Vacas A2A2 é indicado para pessoas que não são intolerantes à lactose, mas que se sentem mal após consumir lácteos. Outra indicação é para crianças com APLV, nas quais a alergia seja comprovadamente causada, única e exclusivamente, pela caseína A1. Ou seja, não é recomendado para qualquer tipo de APLV. Assim, pessoas que não sentem nenhum desconforto ao consumir lácteos, não precisam mudar seus hábitos”, explica Flávia Fontes, idealizadora do Movimento #bebamaisleite.

Com o objetivo de valorizar os produtos lácteos frente ao mercado consumidor, o Movimento #BEBAMAISLEITE lança selos de qualidade para o leite e derivados

Prestes a completar 3 anos de sua criação, o Movimento #BEBAMAISLEITE, de estímulo ao consumo de leite e derivados, lança um programa de certificações que tem como objetivo valorizar o leite e seus derivados frente a um mercado consumidor cada vez mais exigente. “Em um passado recente, as pessoas não questionavam a origem dos alimentos que consumiam, elas tomavam leite porque leite é saudável e pronto. Agora, muitos já querem saber como o alimento é produzido, qual caminho percorre até chegar à sua mesa e qual a sua composição completa. Outro ponto de grande questionamento por parte dos produtores é como os animais de produção são tratados nas fazendas”, explica Flávia Fontes, idealizadora do Movimento #BEBAMAISLEITE.

Os dois primeiros selos lançados são: “VACAS A2A2” que indica que o leite é proveniente apenas de animais com genótipo A2A2 para a produção de beta caseína, sendo indicado para pessoas sensíveis à caseína A1; e “BEM-ESTAR ANIMAL” que certifica propriedades nas quais os animais são criados de acordo com normas internacionais de bem-estar em rebanhos leiteiros, adaptadas à realidade brasileira.

O primeiro selo do programa, foi concedido no último mês, para a marca Letti a2, da Fazenda Agrindus, em Descalvado/SP, que é a primeira marca brasileira a receber o selo “VACAS A2A2”, conferido pelo Movimento #BEBAMAISLEITE. “Durante aproximadamente um ano, estudamos a fundo o Leite A2 e seu mercado e, com base nisso, traçamos todo o panorama atual e perspectivas no Brasil e no mundo, bem como estruturamos um modelo de certificação para o mesmo. Após essa fase, recebemos o importante aval da ABRALEITE (Associação Brasileira dos Produtores de Leite) e firmamos uma parceria com o Genesis Group, empresa especializada em certificações, reconhecida nacional e internacionalmente, e com grande expertise no setor de alimentos, incluindo lácteos. Nesta nova etapa, foram criados o regulamento e manual de certificação para fazendas produtoras de leite com VACAS A2A2, já que o produto “Leite A2” não é regulamentado pela nossa legislação. Na sequência, iniciou-se o processo de certificação da Fazenda Agrindus, produtora de leite e derivados Tipo A, da marca Letti a2. Após cerca de seis meses de trabalho, com revisão e ajustes de processos na fazenda e no laticínio, a marca Letti a2 foi certificada, sendo a primeira marca brasileira a receber o selo VACAS A2A2, conferido pelo Movimento #BEBAMAISLEITE”, explica Saul Hatem, responsável pela comunicação do programa de certificações do #BEBAMAISLEITE.

“Queremos mudar o status do leite e seus derivados no Brasil, por meio da melhoria de sua qualidade e valorização frente ao mercado consumidor. Na nossa visão, essa é a única forma de não perder consumidores e, principalmente, de agregar valor ao leite, melhorando a remuneração do produtor, o elo mais frágil da cadeia produtiva, e as margens da indústria, tornando-a mais competitiva frente a outras bebidas concorrentes dos lácteos”, conclui Flávia Fontes.